26 de jul de 2009

Acer Aspire One D250 com Ubuntu Netbook Remix

Há poucos dias comprei um netbook Acer One D250 e então resolvi instalar o Ubuntu Netbook Remix (UNR), devido à sua optimização para este tipo de equipamento. Gostei muito mesmo e vou postar aqui alguns aspectos.

Instalação:
A instalação é bem simples, como no Ubuntu. Aliás é idêntica. Meu netbook possui HD então instalei usando o EXT4. Em equipamentos com SSD como HD, ouvi recomendações de se usar EXT2.

Configuração do ambiente:
O Ubuntu netbook remix vem por padrão usando um desktop personalizado para utilizar em telas pequenas, como na imagem abaixo.
Realmente é bem funcional e estável este modo. Todas as ferramentas estão à mão e ainda você tem um "favoritos" para adicionar a sua tela principal os programas que mais utiliza.
Minha telinha é de 10" e então eu resolvi utilizar a interface clássica, igual a do nosso Ubuntu. Você pode alterar indo em Sistema - Preferencias - Alterar modo da área de trabalho.

Integração com Hardware:

  • Processador Intel Atom: Tudo ok. O sistema consegue gerenciar legal o processador, graduando sua velocidade conforme você definir ou deixar de forma automática. Você pode adicionar a sua barra de tarefas o "Monitor de graduação da frequência da CPU" e escolher os modos / frequências disponíveis para gerenciar seu processador;
  • Teclado / touchpad: Reconheceu todas as teclas e atalhos da tecla "Fn". Sem nenhum problema com o touchpad;
  • Webcam: Já veio com o modulo pronto e com o Cheese instalado e configurado. Não testei com o Skype ainda, mas pelo que li funciona sem problemas;
  • Placa de vídeo: Nenhum problema. A placa é uma intel 965 se não me engano e o netbook usa uma tela de 10.1" de resolução 1024x800. Tudo correto, inclusive com os efeitos de aparência funcionando. O compiz também pode ser ativado.
  • Rede (Wireless e cabo): Com a rede wireless não tive qualquer problema, reconheceu já na instalação. A rede por cabo (Attansic[Atheros com fio hehehe]) ele não reconheceu, mas consegui resolver. Veja mais no final como arrumar isso.
  • Som: Som reconhecido e funcionando com alguns poréns. De vez em quando ele dá uns chiados ao reproduzir algum video. Mas se parar e abrir de novo o video ele não dá mais. O MIC frontal não ta funcionando. Tem uma dica no final do artigo também.
  • Gerenciamento de energia: Aparentemente bem fiel quanto aos tempos de descarga e recarga. Aqui uso uma bateria de 6 células o que dá uma autonomia de mais de 5 horas e indica isso corretamente. Ainda não testei hibernação e suspensão, mas parece que funciona.
Visão geral:
Gostei muito do comportamento do UNR no netbook. Ainda mais com a opção de se usar a interface clássica do ubuntu. Creio que a interface padrão do UNR seja mais útil em netbook com telas de 7". Os de 8.9", 10.1" e 11" não terão problemas de espaço.
O desempenho é bem aceitável dado a velocidade do processador (1.6mhz). Faço quase tudo o que fazia com o outro notebook. Mas esse utilizo somente para office e navegação, então atende perfeitamente.

Resolvendo alguns problemas:

Rede cabeada:

Para resolver o lance da rede cabeada primeiro temos de baixar o driver direto da Atheros por este link: http://partner.atheros.com/drivers.aspx/ e baixe o AR813X-linux-v1.0.0.9.tar.gz.
Ele vai dar uns erros na descompactação mas ignore.
Pelo terminal entre na pasta SRC e de o comando MAKE.
Copie o arquivo atl1e.ko para os drivers do kernel. Utilize este comando:
sudo cp atl1e.ko /lib/modules/2.6.28-13-generic/kernel/drivers/net/atl1e
*Para saber a versão de seu kernel use o comando "uname -r".

Agora vamos para a dita pasta do comando anterior:
cd
/lib/modules/2.6.28-13-generic/kernel/drivers/net/atl1e

De o comando:
modprobe atl1e.ko
Veja no gerenciador de redes se a sua placa com fios aparece. :D

Para não ter que dar um modprobe toda vez que ligar o note, faça o seguinte:
sudo gedit /etc/init.d/rc

Digite antes do "exit 0" o comando:
modprobe atl1e.ko


Som:
Tem uma recomendação na comunidade sobre o driver da Alsa. Tens de baixar e compilar. Eu ainda não consegui fazer :s. Mas segue o link: https://help.ubuntu.com/community/AspireOne Role a página até o título: Note for AspireOne D250.
Para o atalho do controle de volume funcionar corretamente, acesse o menu sistemas - preferencias - som. E no então configure o "Faixa padrão de mixer" com HDA Intel (Alsa mixer).

Quem tiver algo útil para adicionar pode comentar que adiciono aqui com os devidos créditos.
Abraços.

14 de jul de 2009

Básico Ubuntu: Adicionando multimídia

Seguindo a linha de pequenos artigos sobre operações básicas no Ubuntu, hoje vamos aprender a instalar o suporte à multimídia.

Primeiramente, vamos adicionar o repositório do medibuntu: (Como adicionar repositórios)
deb http://packages.medibuntu.org/ jaunty free non-free
Para instalar a chave pública:
sudo apt-get install medibuntu-keyring
Após isso, vamos instalar o suporte:
sudo apt-get install ubuntu-restricted-extras
sudo apt-get install w32codecs
Se o seu sistema for 64bits;
sudo apt-get install w64codecs

Com isso você já deve conseguir visualizar todos, ou quase todos, formatos de áudio e vídeo.

Se quiser instalar um suporte mais avançado de multimídia, incluindo alguns programas extras:
sudo aptitude install audacious devede faac faad ffmpeg ffmpeg2theora flac flac gstreamer0.10-ffmpeg gstreamer0.10-fluendo-mp3 gstreamer0.10-fluendo-mpegdemux gstreamer0.10-gnonlin gstreamer0.10-pitfdll gstreamer0.10-plugins-bad gstreamer0.10-plugins-bad-multiverse gstreamer0.10-plugins-farsight gstreamer0.10-plugins-ugly gstreamer0.10-plugins-ugly-multiverse gstreamer0.10-schroedinger gstreamer0.10-sdl gxine icedax id3v2 lame liba52-0.7.4-dev libdvdcss2 libdvdread4 libflac++6 libjpeg-progs libmad0 libmp4v2-0 libmpcdec3 libmpeg2-4 libmpeg3-1 libquicktime1 libxine1-ffmpeg libxine1-plugins mencoder mjpegtools mp3gain mpeg2dec mpeg3-utils mpegdemux mpg123 mpg321 nautilus-script-audio-convert regionset soundconverter sox toolame toolame totem-xine ubuntu-restricted-extras uudeview vlc vorbis-tools x264 w32codecs
Se seu sistema for 64bits, altere o último comando para w64codecs.

Espero ter ajudado.
Abraços.

Fonte: linuxacessivel.org; ubuntued.info;
google.com/linux;

11 de jul de 2009

Pidgin - Tudo (ou quase) sobre o multimensageiro

Na minha humilde opinião, o Pidgin é o melhor client messenger que existe para Linux. Além de vir por padrão em diversas distribuições, é muito estável, muito expansível (diversos plugins) e muito leve.

Vou tentar reunir neste artigo um resumo de tudo o que é possível fazer com o este mensageiro.

Protocolos suportados oficialmente:
  • AIM
  • Bonjour
  • Gadu-Gadu
  • Google Talk
  • Groupwise
  • ICQ
  • IRC
  • MSN
  • MySpaceIM
  • QQ
  • SILC
  • SIMPLE
  • Sametime
  • XMPP
  • Yahoo!
  • Zephyr
Outros protocolos:
  • Twitter
  • Identi.ca
  • Facebook (chat)
  • Skype

E então vamos às dicas!

#Instalação e como mantê-lo atualizado no Ubuntu:
Quando você inicia-lo pela primeira vez, ele já vai lhe pedir para configurar uma conta. Depois para adicionar novas, vá no menu de contas - gerenciar contas.

#Preferências:
O menu de preferências do Pidgin é bastante intuitivo, mas vou ressaltar alguns pontos legais que eu configuro.
Aba Interface:
  • No ubuntu 9.04, ele está integrado ao notificador. Se desabilitou o notificador ou quer tê-lo da forma clássica, marque SEMPRE no mostrar icone na bandeja.

Aba conversas:
  • Eu desmarco o realçar palavras mal grafadas. Acho que o dicionário não é pt-br.
  • Altura mínima de entrada de linhas: Esse é o tamanho da caixa onde você digita as mensagens, eu coloco 3 ali.
  • Fonte: Eu não mexo, porém pode-se alterar a fonte configurando aqui.

Aba Temas de emoticons:
  • Aqui você pode ter vários pacotes de emoticons diferentes. Existe um plugin que adicionamos que insere aqui mais alguns temas. Veja mais abaixo, quando eu falar nos plugins.

Aba Sons:
  • Somente mexo na parte Eventos de som, tirando os sons que não quero.

Aba rede:
  • Não configuro nada.

Aba Históricos:
  • Fica por sua conta, deixar gravar ou não os históricos de conversas.

Aba Status/Inativo:
  • Também não configuro nada.

#Plugins:
Através dos plugins conseguimos expandir muito as funcionalidades do Pidgin.
Vou mostrar alguns pacotes que instalo. Aqui vou listar somente os de recursos, os de protocolos vou falar mais abaixo.

Entre no synaptic (gerenciador de pacotes) para instalar. Se não aparecer, pode pesquisar direto no google pelo nome que você encontrará. :)
  • pidgin-audacious: Quem utiliza o player Audacious, pode usar este plugin para integrar os dois e ter o nome da música que está tocando em seu mensageiro;
  • pidgin-plugin-pack: 30 plugins para o pidgin. Eu uso alguns somente, mas vale a pena instalar.
  • pidgin-themes: instala alguns pacotes de smiles para o mensageiro.

#Protocolos extras:
Vou deixar a dica para instalar alguns protocolos que não vem por padrão no Pidgin.
  • Identi.ca: Você somente precisa configurar sua conta no próprio site e ter uma conta jabber (google talk por exemplo). Vamos lá:
Primeiro você precisa adicionar o usuário update@identi.ca ao seu GoogleTalk(jabber).
Depois você adiciona seu usuário do google talk nas configurações de IM do Identi.ca:
Você receberá, do usuário do identi.ca, um link para confirmar sua conta e pronto. :D

Bom, com isso termino meu pequeno artigo sobre o Pidgin. Se descobrir mais alguma coisa sobre ele, prometo que informo.

Abraços.

8 de jul de 2009

Chromium - Habilitando o suporte a Flash

Conforme postei anteriormente, o Chrome já tem suporte nativo para linux:
Google Chrome nativo no Linux!

Ele ainda tem suporte muito precário, mas está melhorando. Recebi uma mensagem no identi.ca informando como habilitar o suporte ao flash no Chrome.

Partindo do principio que você já tenha um navegador com flash habilitado, siga estes passos.

Acesse o diretório do Chrome, pelo terminal:
cd /usr/lib/chromium-browser/plugins

Você pode localizar o diretório com o comando:
whereis chromium-browser

Descubra a localização do flash:
locate libflashplayer.so

Vamos criar um link simbólico para o arquivo:
sudo ln -s /usr/lib/flashplugin-installer/libflashplayer.so

Feche o chromium e abra novamente. O flash está habilitado.
Clique para ampliar.

7 de jul de 2009

Básico Ubuntu: Adicionar repositórios

Umas das coisas mais básicas a saber do Ubuntu é a adição de repositórios extras.
O repositórios, pra nós do debian/Ubuntu, é um servidor dedicado a determinada distribuição onde contém programas e bibliotecas compatíveis para fazer download de forma segura. A grande vantagem disso é a segurança e praticidade.
Os repositórios oficiais tem uma chave de segurança para elevar o nível de segurança dos downloads.
Exemplo de link de um repositório:
deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian jaunty non-free
# Adicionando repositórios de forma gráfica:

Vá em sistema - administração - canais de software. Então coloque sua senha e ele abrirá a tela a seguir:

Clique em adicionar e aparecerá esta tela:

Adicione a linha do repositório aqui e clique em adicionar canal. Depois na próxima tela, clique na aba autenticação para importar a chave previamente salva do repositório:

Depois precisará importar a chave de autenticação na aba "autenticação":

Depois é só clicar em fechar que os repositórios se atualizarão.


# Instalando a partir da linha de comando:

Abra o terminal e digite:
sudo gedit /etc/apt/sources.list
Adicione à última linha do arquivo o link do repositório.
Linhas com "#" no início, não são consideradas, portanto pode usar isso para inserir comentários para lembrar-se por exemplo, a qual programa pertence o link do repositório.

Salve e feche o arquivo. Digite:
sudo apt-get update

Ele pode dar um erro, provavelmente solicitando a chave.
Lendo Lista de Pacotes... Pronto W: GPG error: ftp://ftp.nerim.net etch Release: As assinaturas a seguir não puderam ser verificadas devido a chave pública não estar disponível : NO_PUBKEY
4F191A5A8844C542
W: Você terá que executar apt-get update para corrigir esses arquivos faltosos.

Execute essa linha de comando para importar a chave:
gpg --keyserver hkp://subkeys.pgp.net --recv-keys 4F191A5A8844C542
sudo gpg --export --armor "4F191A5A8844C542" | sudo apt-key add -
sudo apt-get update

O código em negrito é o que você deve copiar do erro do apt-get update e colar neste comando.

Um detalhe. Ás vezes o blogger altera os hífens ("-") por um outro traço que não é reconhecido pelo terminal, então o comando não é reconhecido.

5 de jul de 2009

Cowsay - animando o terminal

Cowsay é um "inútil" programinha onde uma vaca desenhada em ascii fala uma frase escolhida por você. A única utilidade dela realmente pra mim, é animar o terminal quando chamo o mesmo. Olhem o exemplo abaixo:

Quando chamo o terminal, o Tux feito em ascii me cumprimenta. \o/
Como podem ver, existe mais animais além da vaca.

Agora vou ensinar como instalar e configurar no Ubuntu para ocorrer isso toda vez que chame o terminal.

Para instalar:
sudo apt-get install cowsay


Depois de instalado, pode chamar o programa desta forma:
cowsay MundoLunga.com


Existem vários outros desenhos que já vem com o programa.
Outro exemplo:
cowsay -f tux seutexto

A sintaxe é:
cowsay -f [nomedodesenho] [oquequerfalar]


Outras opções de desenho:
apt, beavis.zen, bong, bud-frogs, bunny, cheese, cower, daemon, default, dragon, dragon-and-cow, elephant, elephant-in-snake, eyes, flaming-sheep, ghostbusters, head-in, hellokitty, kiss, kitty, koala, kosh, luke-koala, mech-and-cow, meow, milk, moofasa, moose, mutilated, ren, satanic, sheep, skeleton, small, sodomized, sodomized-sheep, stegosaurus, stimpy, supermilker, surgery, telebears, three-eyes, turkey, turtle, tux, udder, vader, vader-koala, www.

Digite: cowsay -L para mostrar todos animais disponíveis. :p

Para configurar o terminal para puxar o cowsay quando você acioná-lo, vá na sua pasta pessoal, exiba os arquivos ocultos (ctrl+h) e edite o arquivo ".bashrc". Adicione na última linha o seu comando cowsay personalizado da mesma forma que você o utiliza no terminal. :D

Update:
Conforme solicitado nos comentários, segue o esquema para randomizar os animais. Coloque no fim do seu bash.rc:
dir='/usr/share/cowsay/cows/'
file=`/bin/ls -1 "$dir" | sort --random-sort | head -1`
cow=$(echo "$file" | sed -e "s/\.cow//")
cowsay -f $cow seu texto aqui!

No lugar do "seu texto aqui!, digite sua mensagem.

Outros exemplos:
$ cowsay "Hello, bovine world! "
_______________________
<>
-----------------------
\ ^__^
\ (oo)\_______
(__)\ )\/\
||----w |
|| ||

$ cowsay -b "Hello, bovine world! "
_______________________
<>
-----------------------
\ ^__^
\ (==)\_______
(__)\ )\/\
||----w |
|| ||
$ M="Hello, bovine world\!"
$ cowsay -d $M
______________________
<>
----------------------
\ ^__^
\ (xx)\_______
(__)\ )\/\
U ||----w |
|| ||
$ cowsay -p $M
______________________
<>
----------------------
\ ^__^
\ (@@)\_______
(__)\ )\/\
||----w |
|| ||
$ cowsay -s $M
______________________
<>
----------------------
\ ^__^
\ (**)\_______
(__)\ )\/\
U ||----w |
|| ||
$ cowsay -y $M
______________________
<>
----------------------
\ ^__^
\ (..)\_______
(__)\ )\/\
||----w |
|| ||

$ cowsay -f tux $M
_______________________
<>
-----------------------
\
\
.--.
|o_o |
|:_/ |
// \ \
(| | )
/'\_ _/`\
\___)=(___/

2 de jul de 2009

Virtual Box 3.0 - Disponível

E foi lançado a VirtualBox 3.0!
Houve grandes avanços nessa última versão da VB, sendo a principal delas o suporte a computação SMP e o suporte 3D. Teoricamente será possível executar aplicações e jogos 3D que utilizem DirectX/Direct3D 7, 8 ou 9. Também dispõe de suporte VT-x ou AMD-V para seu processador Intel ou AMD. O suporte SMP chega a até 32 CPUs virtuais.

Lembrando que o suporte 3D ainda é experimental e limitado a certas plataformas, como explica o manual do usuário, e é imprescindível a instalação dos Guest Additions no sistema virtual.
O suporte SMP de até 23 CPUs virtuais é capaz somente se nossa capacidade de virtualização de hardware for adequada (VT-x para intel e AMD-V).

Chega de papo e vamos instalar!

Para nós do Ubuntu, vamos adicionar a fonte ao repositório:
sudo gedit /etc/apt/sources.list

Adicione ao final:
deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian jaunty non-free

Salve e feche o arquivo.

Vamos pedir a chave e atualizar os repositórios:
gpg --keyserver hkp://subkeys.pgp.net --recv-keys DCF9F87B6DFBCBAE
sudo gpg --export --armor "DCF9F87B6DFBCBAE" | sudo apt-key add -
sudo apt-get update


E para instalar:
sudo apt-get install virtualbox-3.0

E pronto.

Se preferir, baixe o .deb e instale com o gerenciador de pacotes DEB, clicando com o botoão direito em cima.
A desvantagem é que ela não se atualiza sozinha. :(

1 de jul de 2009

Firefox 3.5 no Ubuntu 9.04

Segue a dica do blog Linuxacessivel para instalar o Firefox 3.5 no Ubuntu 9.04:

Bom, vejamos agora os procedimentos para quem não tem o repositório adicionado:


[UPDATE 02/07/09] Uma dica mais fácil de instalação no Ubuntued.info.

Para linguagem PT-BR, clique aqui.


No Terminal execute:

sudo gedit /etc/apt/sources.list

No final do arquivo adicione a linha abaixo:

deb http://www.linuxacessivel.org jaunty/

Salve e feche o arquivo.

sudo apt-get update

sudo apt-get install firefox-3.5-pt-br

Fonte: www.linuxacessivel.org